CAU/BR faz pesquisa sobre o perfil de arquitetos e urbanistas brasileiros

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) recentemente realizou em parceria com o Instituto Datafolha uma pesquisa que trouxe o maior levantamento do perfil profissional dos arquitetos e urbanistas brasileiros, o que não acontecia desde 2012.

De 7 anos para cá, novas inovações tecnológicas surgiram para o mercado de arquitetura e urbanismo, e isso também foi averiguado nessa pesquisa. O resultado foi que 85% dos profissionais do ramo ainda usam softwares CAD, 77% utilizam 3D em seus projetos, 68% fazem renderizações e 36% já incorporaram o BIM, enquanto em nível de empresas 37% já fizeram o mesmo.

Confira a pesquisa completa →

Com o Decreto BIM em vigor no Brasil desde 2018, muitos já começaram a se adequar a ele, principalmente órgãos públicos por serem os mais afetados, porém, o simples fato de estar acontecendo a criação de legislações, plataformas e metas para o uso do BIM nos projetos brasileiros, demonstra o crescimento dessa metodologia e como ela tem se tornado a nova evolução na forma de realizar projetos, já que traz uma quantidade significativa de benefícios.

Para saber mais sobre o BIM e os seus benefícios, acesse este link →

 

A transição do CAD para o BIM

Entretanto, o CAD, segundo a pesquisa, continua sendo a tecnologia mais utilizada no ramo. A transição do CAD para o BIM não é algo rápido, pois exige mudanças além da produção da representação gráfica, já que o BIM também envolve a forma de projetar que é focada mais no 3D do que no 2D, e com a inserção de informações válidas nos próprios objetos inteligentes pertencentes ao projeto. O 3D já é algo bem comum segundo a pesquisa, porém, esse tipo levantado se refere mais para representações finais de projeto, e não como um 3D criado desde a concepção e com inteligência que acaba servindo no fim como representação da ideia também, como acontece no BIM.

A mudança do CAD para o BIM assemelha-se com a transição da prancheta para o CAD, porque não ocorreu rapidamente, mas ainda foi mais fácil por não mudar a metodologia de projeto, mantendo a ideia de desenhar linha a linha sem inteligência própria, que nem era feito diretamente no papel, e isso já trouxe benefícios para as empresas do ramo, como o aumento de rapidez na produção.

Alterando-se agora do CAD para o BIM representa um maior potencial ainda de rendimentos para as empresas de arquitetura, urbanismo, engenharia e construção. As dificuldades dessa migração podem ser solucionadas com o entendimento do que a empresa necessita dessa metodologia para estar como um bom concorrente no mercado e suprir os serviços solicitados pelos clientes da melhor forma, e a capacitação dos profissionais envolvidos, de acordo com os diagnósticos.

 

Como fazer parte dessa mudança?

A Frazillio & Ferroni já ajudou muitas empresas com a implantação do BIM, desde análises e relatórios, até a capacitação de profissionais e acompanhamento de projetos utilizando o BIM. Para implantar a metodologia em sua empresa ou aprender individualmente a como entregar projetos em BIM com os softwares da Autodesk, entre em contato conosco: (11) 3224-1900, (11) 97303-7929 (WhatsApp) ou contato@ff.solutions. Acompanhe também nossa página no LinkedIn.

Você sabia que somos Centro de Treinamento Autorizado (ATC®) da Autodesk? Confira nossa agenda de eventos e treinamentos!

 

Leia mais

[Artigo] Novo Decreto da Estratégia Nacional de Disseminação do BIM é aprovado →

[Artigo] Tendência mundial na indústria de projetos e construção e suas políticas globais →

[E-book] O que é BIM? Entendendo os conceitos da Modelagem da Informação da Construção →

Jennifer Angélica

Técnica de Informática pela ETEC da Zona Leste, com foco em programação, e estudante de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Nove de Julho. Em aprendizado das tecnologias para arquitetura e urbanismo proporcionadas pela Autodesk, bem como os processos e características BIM que elas oferecem. Possui interesse e estudos na área de acessibilidade e urbanismo. Desde 2019 trabalha na Frazillio & Ferroni na área de Customer Success.